A rotina da auditoria em saúde envolve a análise de custos, especialmente daqueles relacionados a atendimentos e tratamentos. Além disso, muitos deles se concentram em uma classificação denominada OPME.

OPME é uma sigla que significa Órteses, Próteses e Materiais Especiais. Ou seja, é um termo que se refere aos insumos que costumam ser empregados em intervenções diagnósticas, cirúrgicas e terapêuticas. 

OPME é um indicador acompanhado pelas equipes de gestão em saúde. Afinal, as OPMEs correspondem a um volume considerável dos custos com saúde no setor.

Por outro lado, são responsáveis por grandes avanços na terapia dos pacientes, então são mais do que necessários.

O trabalho com auditoria de saúde requer um acompanhamento próximo da OPME. No entanto, para isso, é necessário compreender o impacto delas nas contas e no tratamento dos pacientes. Aliás, é melhor ainda quando esse trabalho é automatizado.

Qual é o impacto de OPME na conta hospitalar?

A aquisição de OPMEs afeta consideravelmente os gastos das operadoras de saúde. Dessa forma, muitos desses gastos se devem ao fato de existir um excesso de solicitações desses materiais e também pela falta de padronização no setor.

Além disso, um relatório da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) apontou que os valores dessas aquisições podem variar mais de 3000% de região para região.

Ou seja, o trabalho de gestão desses recursos se torna um desafio ainda maior dependendo da localização.

Tais problemas fazem com que as operadoras de saúde gastem mais do que o necessário com OPME. Como fazer uma auditoria em OPME?

A auditoria hospitalar é um processo fundamental para o bom funcionamento do setor de saúde em vários níveis. É por meio dela que se pode acompanhar se os seus procedimentos estão adequados e dentro dos níveis de excelência esperados.

Parte disso envolve o acompanhamento dos gastos com OPME. Para isso, é necessário monitorar de perto não apenas o uso de OPME como também a compra desses insumos.

Um dos principais desafios desse processo é garantir a qualidade e a segurança das OPMEs. Para isso, é fundamental utilizar indicadores de OPME que facilitem esse trabalho. Alguns deles são:

  • Custos de aquisição;
  • Custos de entrega;
  • Tempo de acesso;
  • Integridade;
  • Tempo até utilizar;
  • Índice de desempenho;
  • Tempo de entrega;
  • Índice de conformidade;
  • Fator de negociação;
  • Índice de higiene;

No entanto, para que as operadoras de saúde possam trabalhar de forma eficaz, é fundamental que essa atividade seja otimizada. Senão, há uma maior ocorrência de erros e gastos desnecessários.

Como otimizar o acompanhamento de OPME em auditorias?

Como você viu até aqui, a auditoria hospitalar requer um acompanhamento eficaz de OPME. Afinal, existem indicadores importantes que ajudam a diagnosticar possíveis problemas e reforçar boas práticas.

Felizmente, a tecnologia já evoluiu o suficiente para otimizar o acompanhamento de OPME em auditorias hospitalares. Afinal, é possível usar um software de gestão que automatize aspectos desse trabalho e permita realizá-lo de forma mais estratégica.

Esse tipo de tecnologia costuma contar com módulos específicos para auditoria, que envolvem OPME e demais insumos. Assim, é possível acompanhar seus indicadores e fazer comparativos que ajudem a aprimorar a sua eficácia.

A gestão de OPME é algo que faz parte da rotina de qualquer operadora de saúde. 

No entanto, também pode representar gastos além do necessário se o processo for ineficaz. Para isso, é necessário aprimorar a sua auditoria em saúde e contar com a ajuda da tecnologia para acompanhar os indicadores mais adequados.


Conheça qual módulo do Carefy é perfeito para otimizar a sua gestão com foco em uma auditoria médica de qualidade.