Big Data na saúde é o volume massivo de informações criadas por meio da adoção de tecnologias digitais, que armazenam os dados dos pacientes e colaboram com os profissionais de saúde.

A aplicação do Big Data na saúde e na Medicina tem diversos aspectos positivos, e essa é uma tecnologia capaz de salvar vidas.

Com as mudanças do mundo pós-digital e a adoção de um novo estilo de vida por parte da população, as abordagens referentes à saúde mudaram, muitas delas graças ao uso de dados.

Sejam coletados por tecnologias como softwares médicos, prescrições eletrônicas ou dispositivos wearables (vestíveis), os dados estão por toda parte e devem ser usados da melhor forma possível.

Neste artigo, você vai conferir 5 benefícios do Big Data na saúde e como essa inovação pode mudar o futuro da Medicina. 

Acompanhe!

O que é Big Data?

O Big Data é um termo que se refere à extração de informações a partir de um grande volume de dados gerados diariamente pelas pessoas e organizações.

Ele tem mudado a forma como as pessoas armazenam, analisam e aproveitam as informações, e a saúde é uma das áreas em que essa inovação tem provocado grandes mudanças.

De fato, o Big Data na saúde tem o potencial de reduzir custos, prever epidemias, melhorar o acompanhamento e a qualidade de vida de forma geral.

A importância estratégica desses dados está relacionada à forma com que cada organização irá utilizar as informações para otimizar tempo, custos e melhorar o atendimento aos pacientes.

Quais são os benefícios do Big Data na área da saúde?

A área da saúde tem registrado dados que provêm de diversas fontes, como prontuários eletrônicos, aplicativos de celular para monitoramento dos pacientes, resultados de exames e dados genéticos.

Para o dia a dia de inúmeros profissionais, o Big Data na saúde contribui para análises mais aprofundadas das necessidades dos pacientes e uma visão mais completa sobre prevenção, tratamento e cura das doenças.

Conheça outros impactos dessa tecnologia a seguir:

1. Avanços em tratamentos e maior monitoramento da saúde

O grande benefício do Big Data na saúde consiste nas tomadas de decisões médicas cada vez mais baseadas em dados.

Dessa forma, é possível obter avanços nos tratamentos, pois com a ajuda da inteligência artificial, os profissionais poderão encontrar novas soluções e tratamentos para diversas doenças.

Isso irá impulsionar a pesquisa e deixá-la com muito mais respaldo graças ao uso das informações oferecidas pelo Big Data. Além disso, o monitoramento da saúde também é facilitado.

Com a geração de dados realizada por meio de celulares ou dispositivos wearables, torna-se viável rastrear padrões e até mesmo acompanhar os pacientes em tempo real, caso seja necessário.

2. Maior assistência ao paciente

Com os registros dos pacientes armazenados na nuvem em sistemas para clínicas, os dados podem ser acessados com mais rapidez e facilidade, o que colabora com a assistência ao paciente.

Graças a essa tecnologia, os profissionais conseguem identificar recorrências nos pacientes, como internações hospitalares ou problemas crônicos. 

Em casos específicos, novos dispositivos wearables estão sendo desenvolvidos para rastrear tendências individuais nos dados de cada paciente e colocá-los na nuvem onde os médicos podem monitorá-las.

Pacientes com asma ou problemas de pressão arterial podem ser grandes beneficiados com essa inovação, e serão mais independentes com a redução de visitas ao hospital e uso de um tratamento personalizado.

3. Redução de custos

A gestão de custos na área da saúde tem sido cada vez mais discutida, e a tendência é que ela seja otimizada com o uso do Big Data.

Com análises preditivas que podem ser realizadas com a ajuda dos dados, pode-se obter ajuda na alocação dos profissionais e distribuir os investimentos de forma mais adequada.

Além disso, com o apoio da Telemedicina e da Teleconsulta, os dados obtidos por meio delas também serão utilizados para análises preditivas.

Assim, os médicos poderão prever eventos e prevenir a piora do quadro dos pacientes mesmo com eles distantes dos hospitais, reduzindo os custos e melhorando a qualidade dos serviços presenciais.

Instituições de saúde também irão se beneficiar com o uso dos dados para economizar recursos evitando que os pacientes permaneçam internados além do tempo necessário.

4. Colaboração com pesquisas em saúde

Graças a integração dos dados será possível, a médio prazo, reunir as informações contidas nas fichas dos pacientes tanto nas redes públicas como privadas.

Com o cruzamento dessas informações, a prevenção de epidemias e avanços maiores nas pesquisas em saúde serão cada vez mais impulsionados.

Ao observar, por exemplo, doenças mais comuns em uma determinada região, que intervenções são mais urgentes ou que medicamentos surtem melhor efeito em um determinado grupo de pessoas, os avanços serão notáveis.

Por meio dessas novas pesquisas, os profissionais terão a chance de traçar novos planos de ação e estratégias visando resultados melhores, e sempre baseados em dados confiáveis e muitas vezes obtidos em tempo real.

5. Aumento do engajamento dos pacientes

Diversas pessoas já são adeptas ao uso dos wearables para coletar seus dados de sono, frequência cardíaca, passos, saturação sanguínea, entre outros.

Toda essa informação pode ser utilizada juntamente com outros dados para identificar possíveis riscos para a saúde à espreita.

Insônia crônica e frequência cardíaca elevada podem, por exemplo, ser um sinal de futuros problemas cardíacos.

Com os pacientes engajados no monitoramento e no cuidado com a saúde, a chance deles aderirem a tratamentos e serem impulsionados para um estilo de vida mais saudável é bem maior.

 Ao longo deste artigo, você conferiu alguns benefícios do Big Data na área da saúde e como ele pode impactar o futuro da Medicina.

Antes de ir, não se esqueça de compartilhar o conteúdo com seus colegas! 

Inscreva-se na nossa newsletter para ficar por dentro do que acontece na auditoria em saúde.