A auditoria com seu olhar sistemático tem um importante papel para instituições que necessitam de um processo com qualidade, livre de retrabalho, perdas financeiras e assistenciais. No entanto, alguns erros na auditoria em saúde podem trazer resultados não tão eficazes

1. Inabilidade nas relações interpessoais

A auditoria em saúde precisa ter fluidez no acesso a setores, processos, documentos e pessoas. 

Dessa forma, uma postura participativa e educativa deve se fazer presente no perfil de um profissional auditor, seja ele enfermeiro, médico ou outra área da saúde.

A imagem de uma auditoria fechada, grosseira e que apenas impõe a sua vontade, cria entraves nas relações e por isso precisa cair por terra, pois o nosso papel é proporcionar melhorias dos processos para que possam ter maiores resultados extraídos. 

O relacionamento interpessoal e a oratória precisa ser exercido uma vez que estamos o tempo todo em contatos com equipes assistenciais, administrativas e gerenciais.

O respeito ao olhar do outro não significa que somos incapazes ou não temos o conhecimento sobre determinado assunto, mas que estamos prontos para colaborar sem que exista melindre com relação a nossa competência técnica. 

O consenso é uma excelente oportunidade para o crescimento e amadurecimento de um profissional mas é um processo.

2. Ausência de pleno conhecimento dos contratos vigentes

Esse é um erro que pode acontecer tanto na auditoria de contas médicas quanto na auditoria concorrente

Os contratos entre empresas têm o objetivo de nortear as relações entre os envolvidos e principalmente, as práticas a serem realizadas e por isso cabe a auditoria ter ciência do que foi acordado.

As informações vão desde taxas e valores até os tipos de materiais que podem ser utilizados e quais tipos de procedimentos fazem parte da cobertura. 

Parece simples, mas caso qualquer item deste não seja de domínio da auditoria, podem ocorrer glosas e perdas financeiras.

É necessário lembrar que nas relações contratuais, deve-se garantir também a qualidade assistencial para o paciente e isso pode ser observado por um profissional que conheça se o que foi estabelecido no contrato, está sendo executado, uma vez que o acordado e registrado deve ser cumprido.

3. Expressão de opinião na auditoria

A auditoria apresenta argumentos embasados em protocolos, contratos, e pilares técnicos e por isso, não cabe espaço para opiniões pessoais ou de cunho abstrato.

É preciso deixar claro qual o alicerce do seu parecer diante de uma determinada situação.

“Eu acho” ou “ eu acredito” são palavras que não devem fazer parte do vocabulário de um profissional da auditoria, pois denotam insegurança e falta de conhecimento técnico. 

Ao invés deste tipo de informação, deve-se apresentar, “segundo o contrato” ou “de acordo com o protocolo clínico”, que indica segurança no argumento.

4. Insegurança técnica nas justificativas.

As glosas e cobranças precisam ser embasadas e por isso uma justificativa técnica respaldada em protocolos, faz toda a diferença. 

O profissional que conhece o cenário de saúde e tem segurança naquilo que faz e diz, evita muitas vezes uma situação desgastante e de retrabalho.

Conhecer até onde vai o papel da auditoria, campo de atuação e resultados esperados, ajudam o profissional a ter maior respaldo nas suas ações e consequentemente, fluidez no processo.

5. Ausência da manutenção dos estudos

A formação em auditoria vai muito além da aquisição da certificação em uma especialização, pois requer complementações frequentes para que seja possível entender e conhecer as mudanças que ocorrem rotineiramente no cenário da saúde.

Estar distante das atualizações acadêmicas fragiliza as colocações da auditoria, além de causar possíveis perdas financeiras e assistenciais por erros técnicos e administrativos.

Ser um profissional preparado e atualizado não somente agrega valor ao currículo, mas, muito além disso, o torna referência e traz peso a sua fala e posicionamento dentro do segmento saúde.

A preparação é um dos principais componentes para superar os desafios da auditoria. 

Conclusão

A auditoria em saúde tem uma responsabilidade grande a cumprir, mas para isso precisa sempre estar atualizada, conhecer as demandas do mercado e também desenvolver características precisas para que possa agregar ao invés de segregar.

Não construímos resultados sozinhos e precisamos de um coletivo para chegarmos ao ponto de melhoria que desejamos. 

Olhares diferentes somam e constroem.

A Auditar Saúde proporciona a você que deseja trilhar um lindo caminho na auditoria, treinamentos voltados para a teoria e exercício da prática. Te convido a nos acompanhar no Instagram @auditarsaude.

Gostou deste artigo?! Então se inscreva na newsletter para receber conteúdos como este em primeira mão!

Sobre o Carefy

O Carefy é um software para gestão e monitoramento de internações focado em todo o processo de auditoria em saúde. Nele inclui os módulos de auditoria concorrente, auditoria de contas hospitalares, prorrogações e home care para uma gestão centralizada e eficiente. Para saber mais clique aqui. 

REFERÊNCIA

MORAIS, Marlus Valney de. Auditoria em Saúde. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2014

INSTITUTO PORTUGUÊS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO. Manual de auditoria interna. Lisboa. IPAD: 2009. Disponível em: http://www.ipad.mne.gov.pt/images/stories/Avaliacao/manual_auditoria.pdf. Acesso em 05 de outubro de 2020.

SANTOS, Aldomar Guimarães. PAGLIATO, Wagner. Curso de Auditoria. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2007. 372 p.