banner ebook auditoria em saúde

Podemos definir inovação como a conversão de uma boa ideia em diferencial competitivo. 

E, embora a inovação possa surgir de contribuições não planejadas, a maioria das inovações resulta do uso de métodos intencionais dentro das organizações. 

Os métodos existentes para promover a inovação em grandes organizações incluem a criação de laboratórios de P&D, formação de equipes internas de incubação e permitir que os funcionários aloquem parte de seu tempo de trabalho para projetos paralelos. 

Apesar dos méritos relativos de cada método, a competição está levando grandes organizações a experimentarem novas estratégias.

Uma estratégia emergente é o estabelecimento de um pipeline de inovação.

O pipeline é interessante para a organização, pois a ideação da comunidade pode ser organizada, apoiada e rastreada por meio de um sistema de gerenciamento de ideias. Esse tipo de sistema oferece suporte à submissão, discussão, pontuação e divulgação de ideias, entre outras funções. 

Os métodos para construir um pipeline da inovação

A inovação está no centro da competição bem-sucedida em mercados de ritmo acelerado, caracterizados por mudanças nas preferências e expectativas dos consumidores.

Uma abordagem para obter acesso a ideias criativas e fluxos de inovação é manter um laboratório de P&D para explorar conceitos voltados para o futuro. 

Esses laboratórios podem agregar grande valor às empresas e à comunidade científica, mas normalmente exigem um grande investimento. 

Além disso, criar propostas de negócios para conceitos prospectivos pode ser difícil, ou seja, inovação empresarial não é o mesmo que invenção. 

Um segundo método é formar um ou mais grupos “criativos” encarregados de incubar novas ideias. 

As ideias exploradas têm foco de curto prazo, mas a tarefa de inovação é delegada a alguns poucos selecionados.

Um terceiro método permite que os funcionários aloquem parte de seu tempo de trabalho para projetos paralelos e os mostrem em locais patrocinados pela empresa. Todos podem participar, mas os funcionários podem perseguir apenas as ideias alcançáveis ​​com tempo e recursos limitados, possivelmente inibindo as grandes ideias.

Cada método tem seus méritos e limitações e as empresas escolhem os métodos mais adequados, muitas vezes como parte de um portfólio maior, com base na eficácia percebida, recursos disponíveis e tolerância ao risco. Mas à medida que a necessidade de inovação persiste, as organizações devem continuar a explorar novas estratégias. 

O processo de gerar inovação

O processo de inovação normalmente ocorre em uma sequência de atividades representadas em um processo a jusante. 

Comumente, eles são descritos como um arranjo de cerca de quatro fases, por exemplo:

  1. Geração de ideias;
  2. Formulação de ideias;
  3. Resolução de problemas;
  4. Utilização.

Um processo de inovação é tipicamente caracterizado por um elevado número de ideias (projetos) nas fases iniciais, combinado com mecanismos para desenvolver, avaliar e selecionar as ideias mais promissoras no decorrer das fases seguintes. Muitas ideias são geradas em paralelo. 

Mais adiante no processo, as não aplicáveis ​​são classificadas e ideias valiosas são levadas adiante através das fases de desenvolvimento e avaliação mais intensivas em recursos. 

Os resultados do processo de inovação são soluções/conceitos inovadores, mais ou menos prontos para aplicação. A fase de utilização refere-se à introdução de uma novidade como produto ou processo. 

Em muitos casos, conceitos inovadores não devem ser introduzidos separadamente, mas precisam ser integrados em produtos existentes (por exemplo, novos sistemas de segurança de automóveis precisam ser integrados em um novo veículo para utilização). Neste ponto, a ligação com o processo de desenvolvimento do produto torna-se aparente.

Na maioria das vezes os processos de inovação são conduzidos iniciando pela identificação de uma demanda potencial (por exemplo, um problema técnico) e pelo reconhecimento do potencial em tecnologia, o foco está no desenvolvimento de conceitos inovadores. Normalmente, esses processos apresentam um alto grau de risco e experimentação. 

Como descrito acima, em um ponto o processo de inovação e o processo de desenvolvimento de produto se encontram. Projetos de desenvolvimento de produto frequentemente precisam integrar inovações disponíveis geradas por processos de inovação nos conceitos de produto dentro do processo de desenvolvimento de produto. 

Inovação sustentável

Hoje, as organizações, especialmente as grandes empresas, muitas vezes enfrentam o desafio de diminuir as receitas de produtos e serviços existentes. 

Além disso, os avanços tecnológicos e o desenvolvimento incremental de produtos não fornecem mais necessariamente diferenciais competitivos para o crescimento de seus negócios. A administração precisa investigar como reinventar formas de sustentar a inovação e ficar à frente de seus concorrentes.

O processo de inovação é muitas vezes visto como muito linear, com modelos de negócios criados a partir de resultados de pesquisas de mercado, levando a grandes esforços de desenvolvimento criando produtos que não atendem às necessidades dos clientes.

O desenvolvimento de novos produtos visa descobrir a coisa certa a construir – a coisa que os clientes querem e pela qual pagarão – o mais rápido possível. 

e-book auditoria concorrente

Mas por que novos produtos falham tanto em todos os lugares que olhamos? 

O primeiro problema é o fascínio de um bom plano, uma estratégia sólida e uma pesquisa de mercado completa. Em épocas anteriores, esses eram indicadores de sucesso provável. Então o que mudou? Hoje, essa abordagem não funciona, pois as organizações operam sob extrema incerteza.

Devemos aprender o que os clientes realmente querem, não o que eles dizem que querem ou o que pensamos que deveriam querer. Precisamos ir além de fazer perguntas hipotéticas e observar o comportamento real do cliente.

Pipeline de inovação em quatro partes

O pipeline a seguir combina ingredientes de quatro áreas diferentes para ajudar nesse dilema da inovação. Cada parte é adequada ao seu propósito no ciclo de inovação.

1.Design Thinking 

O design desempenha um papel significativo em modelos de negócios inovadores e é importante na criação de valor para os usuários.

Ao trabalhar com uma equipe de desenvolvimento de produtos em uma grande empresa, observei como o Design Thinking complementa o Lean Startup. 

No entanto, o ciclo construir-medir-aprender não aborda o ciclo de design e ideação – como as organizações e equipes identificam ideias, insights de clientes e suposições de salto de fé que precisam ser validadas?

“Pensar como um designer certamente ajudará a transformar a forma como você desenvolve produtos, serviços, processos e até estratégia por meio de pesquisas contextuais e observação do comportamento do cliente.”

Mergulhar no contexto e observar os comportamentos dos clientes ajuda a descobrir detalhes e complexidades do espaço e do problema. 

Observações precisas ajudarão você a gerar insights, criar ideias e desenvolver projetos iniciais de produtos para um segmento de clientes. Essas ideias, designs e suposições de fé podem ser validadas ainda mais usando o Lean Startup.

2. Lean Startup

O Lean Startup apoia o lançamento de negócios e produtos. 

Ele se baseia em aprendizado validado, experimentação científica e lançamentos de produtos iterativos para encurtar os ciclos de desenvolvimento de produtos, medir o progresso e obter feedback valioso do cliente. 

Dessa forma, as organizações podem projetar seus produtos ou serviços para atender às demandas de sua base de clientes sem exigir grandes quantias de financiamento inicial ou lançamentos de produtos caros.

Lean Startup é uma estrutura de aprendizado para “inovação disruptiva” definida como um problema desconhecido, cliente, mercado, solução e a busca pela “coisa certa para construir”. A saída principal é um modelo de negócios validado por meio de métricas de iteração rápida, empirismo e não vaidade para medir o progresso.

O processo de design thinking fornece um veículo para gerar ideias testadas rapidamente. A abordagem Lean Startup pode então validar as ideias, insights de clientes e suposições de salto de fé usando experimentos.

“Tanto o Design Thinking quanto o Lean Startup adotam uma abordagem de design de desenvolvimento iterativa e orientada para o cliente muito semelhante. A abordagem combinada de Design Thinking e Lean Startup fornece uma abordagem sistemática para as organizações criarem inovação disruptiva.”

3. Business Model Canvas 

O Business Model Canvas é um dos frameworks de modelos de negócios mais utilizados. 

O Business Model Canvas permite que você crie e capture rapidamente a lógica de como uma organização cria, entrega e captura valor. 

O Design Thinking informa o Modelo de Negócios de oportunidades (como quem são nossos clientes e o que eles valorizam). 

O Modelo de Negócios pode ser sistematicamente validado/invalidado por meio de experimentos Lean Startup. O Lean Startup é a estrutura para alterar rapidamente o modelo de negócios.

Em última análise, isso nos permite testar a viabilidade do negócio, mudar e adaptar nosso modelo de negócios para aproveitar as oportunidades. 

Qualquer parte do modelo de negócios validado pode ser rapidamente entregue aos clientes por meio de pequenos lançamentos (produtos mínimos viáveis) usando uma abordagem iterativa e incremental de desenvolvimento ágil.

1. Agile

Implementar e entregar continuamente os recursos do produto para o cliente. 

Os valores, princípios e práticas Lean e Agile permitem que as organizações amplifiquem as suposições de fé, fornecendo continuamente valor aos usuários por meio de desenvolvimento iterativo e incremental.

Conclusão

Na corrida para criar produtos e serviços inovadores, as organizações precisarão se afastar da abordagem linear da inovação usando suposições baseadas em pesquisas de mercado. 

A combinação de design thinking, lean startup, business model canvas e agile é uma abordagem holística que impulsiona o foco no cliente e ajuda a fornecer uma estrutura para criar e sustentar um pipeline de inovação. 

Em última análise, essas quatro partes fornecem um modelo para construir uma cultura inovadora, encantar os clientes com o produto e a solução certa e o ajuste ao mercado.

Para criar um pipeline de inovação sustentável, as organizações podem reconsiderar por meio de design thinking, Lean Startup e Agile para implementação mais de uma vez, à medida que a equipe de produto refinar suas ideias e explorar novas direções.

indicadores de auditoria em saúde