Internação e o aumento dos custos

O gasto com internação é até 67 vezes maior do que o custo com consultadas quando o assunto é sinistro. Dessa forma, é incontestável o impacto dos custos de internação para operadoras de saúde. E esses custos só tendem a aumentar (ANDRADE; MAIAB; RODRIGUES, 2010).

Acredita-se que entre 2005 a 201o houve um aumento de 54% nos gastos com internação em todas as modalidades de operadoras de saúde. Já entre as autogestões o assunto é ainda mais preocupante. Estima-se que o valor tenha triplicado em oito anos, chegando em uma média acima de R$23 mil por internação (DUARTE et al., 2017).

internação

Gastos médicos entre 2007 e 2017. (ANDRADE; MAIA; RODRIGUES, 2013).

Causas do aumento dos custos

Dentre as causas estão envolvidos o aumento dos custos dos materiais e medicamentos durante a internação respectivamente. Isso claro, não esquecendo o envelhecimento da população. Entre os idosos, não é notado um aumento significativo na taxa de utilização do plano mas sim um aumento na média de permanência durante a internação, justificando os aumentos progressivos.

De fato, os custos relacionados a internação vêm evoluindo nos últimos anos acima da inflação. Contudo, também se sabe que até 20% dos custos de internação são gastos de forma desnecessária. Assim, a ineficiência na gestão dos recursos de saúde está diretamente relacionada.

E uma causa chama muito atenção:

A dificuldade que as operadoras de saúde têm em obter as informações necessárias sobre a condição de saúde dos seus beneficiários. (DYE; REEDER; TERRY,1999)

Essa dificuldade se torna um gargalo para muitas operadoras de saúde uma vez que inviabiliza realizar uma gestão de forma integral dos seus recursos.

O desafio da saúde baseada em valor

Como o mercado está se adaptando

Em um mercado cada vez mais competitivo e regulado como o das operadoras de saúde muitas estão se adaptando trazendo a gestão para dentro.

Essa problemática preocupante exige uma excelência na gestão dos recursos em saúde. Muitas operadoras estão optando pela verticalização não só do serviço prestado mas também da operação. O estimulo à rede própria possibilita um maior controle das informações de seus beneficiários e seus custos ainda que não possível englobar toda a assistência.

Já na gestão da rede credenciada, o Carefy pode auxiliar na redução na média de permanência geral e custos de internação. Com indicadores assistenciais e de gestão é possível ter uma visão da operação como um todo.

reduzir custos - falar com especialista carefyPowered by Rock Convert

A integração dos players de saúde vêm sendo cada vez mais discutido como principal meio para viabilizar o modelo de remuneração baseado em valor. Assim, com o paciente no centro poderá ser feito de fato uma assistência de excelência e a gestão eficiente de recursos da saúde.

Gostou do conteúdo? Inscreva-se na nossa newsletter para receber semanalmente conteúdos estratégicos somo este sobre gestão em saúde. 🙂

Photo designed by Freepik

Referências:

ANDRADE, M.; MAIA, A.; RODRIGUES, C. Indicadores de gastos com serviços médicos no setor de saúde suplementar no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 30, p. S103-S117, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepop/v30s0/07.pdf

Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS). Análise da utilização e gastos em saúde. 2018. Disponível em: https://www.iess.org.br/?p=blog&id=757

DUARTE, A. et al. Evolução na utilização e nos gastos de uma operadora de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 8, p. 2753-2762, 2017.  Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/csc/v22n8/1413-8123-csc-22-08-2753.pdf

DYE C.; REEDER J.C.; TERRY R.F. Research for universal health coverage. Sci Transl Med 2013; 5(199):199ed13.

 

Newsletter carefyPowered by Rock Convert