banner ebook auditoria em saúde

O envelhecimento populacional é o fenômeno mais comum que acarreta a humanidade.

Porém, apesar de ser um fenômeno comum, práticas adotadas (principalmente de conscientização) acabam por diminuir a taxa de natalidade brasileira.

Isso impacta diretamente no financeiro das operadoras de saúde. 

No artigo de hoje veremos o impacto do envelhecimento da população brasileira, e como este fenômeno se relaciona com os custos em saúde. Continue lendo! 

Envelhecimento populacional no Brasil e no mundo 

impacto do envelhecimento da população brasileira

O envelhecimento é um fenômeno natural da sociedade.

Quanto mais os anos vão se passando, mais a população vai envelhecendo.

Contudo, o número de idosos em países subdesenvolvidos como o Brasil pode aumentar significativamente nos próximos anos. 

Em uma perspectiva mundial, segundo um artigo publicado no site da Organização das Nações Unidas (ONU) estima-se que a população mundial com 60 ou mais cresça até 2050.

Isso totalizará cerca de 2,1 mil milhões de idosos em todo o globo.

Comparando com o ano de 2017, onde população idosa mundial era de 962 milhões, podemos entender o grande crescimento.

No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou projeções para a população brasileira. 

Segundo o Instituto, a população brasileira deverá crescer até 2047, atingindo 233,2 milhões de pessoas. 

Neste quadro, o número de idosos brasileiros com 65 anos ou mais, será de 58,2 milhões de pessoas em 2060.

Este número de idosos equivale a 26% da população total. 

Outro dado importante para entendermos o envelhecimento populacional, é de que em 2060, o número de adolescentes representará apenas 15% da população total.

Diferentemente dos dados atuais, que equivalem a 21%. 

Significa um futuro com mais idosos? 

A resposta para esta pergunta é: sim! 

No Brasil o envelhecimento será uma tendência.

Teremos mais idosos e menos adolescentes/jovens.

Podemos considerar também a pandemia da COVID-19 que afetou diretamente na taxa de natalidade e mortalidade brasileira. 

Com a gradual recuperação do país, frente à pandemia, é possível dizer que a taxa de envelhecimento faz jus aos dados atuais que temos. 

Quais são as causas do envelhecimento? 

Frente a isso, é importante observar que existem causas para a população ser mais velha nos anos seguintes.

Com esses dados podemos notar que a taxa de natalidade é menor até 2060. E existem motivos para este ocorrido. 

O Brasil por anos enfrenta uma problemática de gravidez na adolescência, aumentando a natalidade nacional.

Porém, com a adoção de políticas e práticas, este número tem reduzido consideravelmente. E, não somente campanhas, mas a “mão na massa” está fazendo este índice ser diminuído. 

Outro motivo para o envelhecimento populacional ser maior, é a diminuição da desigualdade social.

Isso significa mais pessoas tendo acesso a direitos básicos, saúde, educação, lazer e saneamento básico, por exemplo. Esses acessos fazem com que aumente a expectativa de vida dos brasileiros. 

O aumento da urbanização também é um fator. Nos centros urbanos o acesso a estes direitos são mais facilitados. 

O acesso à informação também é um fator a ser considerado. Quanto mais o acesso a tecnologias, como a internet, está se tornando democratizado, mais pessoas possuem acesso à informação.

Isso faz com que mais pessoas busquem cuidar de sua saúde, buscando alternativas saudáveis. O que aumenta, ainda mais, suas expectativas de vida. 

O impacto do envelhecimento da população brasileira para as operadoras de saúde

impacto do envelhecimento da população brasileira

Como dizemos no início desse conteúdo, o impacto do envelhecimento da população brasileira nas operadoras de saúde, será principalmente no âmbito financeiro. 

Com o aumento da expectativa de vida dos brasileiros, o envelhecimento será comum.

Mais idosos precisando de cuidados, mais pessoas procurando uma operadora de saúde para realizar um plano. 

Ainda mais, mais idosos podem gerar:

  • Leitos hospitalares mais movimentados;
  • Aumento da média de permanência;
  • Maior número de procedimentos a serem realizados.

Basicamente, estes tópicos podem gerar mais peso para o financeiro da operadora.

É interessante observar também que quanto mais os pacientes ficam em um hospital, mais isso afeta sua experiência com a operadora de saúde e aumenta o risco de eventos adversos o afetarem. 

Segundo um estudo da ANAHP 2016, a média de internações hospitalares com idosos equivale a 2,6 a mais entre jovens e adolescentes. 

Como mitigar essa questão?

Existem maneiras de otimizar o problema, mitigando o impacto do envelhecimento da população brasileira com práticas que auxiliam na gestão das operadoras de saúde.

Apesar dos dados, muitas operadoras podem não estar prontas para este aumento, o que pode trazer diversos problemas para as mesmas, como já citado anteriormente. 

Esses meios visam reduzir os custos para as operadoras e também promover boas práticas de saúde para os beneficiários. 

Medicina preventiva

A medicina preventiva visa prevenir possíveis complicações e doenças que o paciente pode ocorrer.

Seu foco é buscar tratamento antes que qualquer problema ocorra ou evolua. 

Por exemplo: quando o paciente apresenta sintomas de pressão alta, mas não necessariamente possui o problema. A medicina preventiva entra em ação, assim, se inicia promoções para reduzir a ocorrência de se tornar realmente um quadro de hipertensão.

Investir em medicina preventiva com idosos é importante, pois é possível iniciar tratamento e reduzir o risco de desenvolvimento de doenças, como, por exemplo, a diabete mellitus (comum na população idosa). 

Home-care 

Considere o uso do home-care para o tratamento dos pacientes idosos.

É comprovado que os cuidados em residência, auxiliam na recuperação de pacientes.

O atendimento domiciliar é uma forma mais humanizada de receber tratamento, além de que o paciente está em contato com sua família e amigos, promovendo o bem-estar dele. 

Com idosos o home-care é comum.

Geralmente os idosos não se sentem bem em hospitais, muito menos internados. Muitos se sentem sozinhos, o que pode piorar seu quadro. 

Também existe o risco do paciente contrair algum tipo de infecção hospitalar por passar muito tempo internado.

O home-care é uma alternativa que preza pelos cuidados do paciente e também reflete no financeiro da operadora, com menos custos de diária hospitalar, medicamentos e muitos outros fatores.

Tecnologia aliada 

Com o auxílio da tecnologia, é possível otimizar a gestão da operadora, tornando o processo de cuidados com o paciente menos problemático.

Softwares de gestão possuem a capacidade de armazenar dados e informações dos pacientes, aumentando a eficiência da jornada do mesmo enquanto está internado.

Também com o auxílio da tecnologia, a redução de glosas hospitalares é mais efetiva. 

A tecnologia, além de tornar a gestão mais integrada e facilitada, aumenta também a eficiência dos profissionais da equipe.

Assim, eles conseguem ter acesso rápido a informações, como prontuários, evitando que confusões e retrabalhos ocorram. 

Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário e nos conte o que achou!  

E também, não se esqueça de se inscrever em nossa newsletter e receber conteúdos atualizados semanalmente! 

e-book auditoria concorrente