De forma simplificada, se tratam de ferramentas que podem ser utilizadas para medir a qualidade do atendimento prestado aos seus pacientes.

Nesse artigo serão mostrados 5 indicadores essenciais que podem indicar muito sobre a qualidade dos serviços prestados na  auditoria.

 Portanto, se quiser saber mais sobre eles , basta continuar a leitura conosco. 

O que são indicadores de qualidade em saúde?

Um dos grandes desafios dos profissionais da saúde é medir a qualidade dos serviços de saúde.

Nesse contexto, os indicadores de saúde são grandes aliados pois consistem em uma métrica capaz de quantificar a qualidade do atendimento das instituições de saúde.

Por exemplo, esses indicadores têm o potencial de revelar possíveis pontos de atenção na internação de um paciente em isolado e até de mostrar como anda os resultados da instituição em saúde como um todo.

Confira 5 indicadores que serão abordados ao longo do artigo:

  • Evento adverso;
  • Não conformidades durante a internação;
  • Taxa de reinternação por prestador;
  • Número de óbitos por prestador;
  • Média de permanência na instituição. 

Eles apontam também sobre os melhores caminhos que devem ser seguidos para cada caso específico. Assim, também como a situação atual dos pacientes e a meta de chegada.

Qual a importância dos indicadores de qualidade? 

Em suma, existem alguns pontos positivos de usar os indicadores de qualidade em saúde. Como é o caso do acompanhamento do paciente de forma mais automatizada. 

Logo, consegue-se economizar nos processos e otimizar o tempo

Ainda, é possível entender de forma mais minuciosa a sua condição clínica, mesmo de longe.

Assim, é viável identificar possíveis gargalos e pontos de melhoria ligados ao cuidado proporcionado ao beneficiário e realizar a gestão em saúde de forma mais assertiva.

5 indicadores de qualidade em saúde

Como já foi dito anteriormente, existem ao menos 5 deles que devem ser observados. 

Analisar esses aspectos é interessante para garantir o bem estar dos pacientes dentro da instituição. 

Confira com atenção!

1. Indicadores de evento adverso

Em suma, esse indicador demonstra os possíveis eventos adversos que podem ocorrer com os pacientes dentro da instituição, como o aparecimento de novas infecções, quedas, lesões, efeito colateral por administração medicamentosa.

Esses eventos têm o potencial de prejudicar a saúde do internado e alguns casos, levar a sérias complicações;

Portanto, é de extrema importância monitorar esse indicador e praticar ações que minimizem a ocorrência de eventos adversos.

2. Não conformidades na internação

O indicador de possíveis não conformidades sinaliza que existem pontos de atenção que merecem monitoramento em relação à condição clínica do internado.

Uma sinalização que merece atenção consiste na falta de identificação do paciente.

A não identificação do paciente impossibilita entender o quadro clínico do paciente e como direcionar o melhor tratamento pertinente a sua condição.

Assim, esse indicador é fundamental para o bom funcionamento da sua operação.

Outro exemplo de sinalização é o de desenvolvimento de úlcera por pressão.

Monitorar os pacientes  que são acamados e permanecem  por um longo período de tempo na mesma posição pode ocasionar a falta de oxigenação na superfície da pele é essencial para diminuir o desenvolver essa ferida.

Outra sinalização importante consiste em monitorar Pacientes sem ventilação mecânica ou droga vasoativa em UTI;

Se a internação ocorre na UTI, por exemplo, e o cuidado prestado ao paciente não inclui a utilização da ventilação mecânica e a administração de drogas vasoativas

Esse pode ser um indicativo de que aquela internação merece atenção.

3. Taxa de reinternação por prestador

Esse indicador revela quantos beneficiários foram reinternados pela mesma enfermidade ou por enfermidade similar em um período de até 30 dias após a sua saída da instituição de saúde.

Com esse indicador em mãos é possível avaliar a qualidade do serviço por prestador.

Quanto menor for  a taxa de reinternação, melhor.

4. Números de óbitos por prestador

Em síntese, como o próprio nome sugere, se refere à quantidade de óbitos ocorridos na instituição de saúde, classificadas por prestador.

A partir desse indicador é possível mensurar se os serviços de saúde da instituição estão sendo, de fato, efetivos para cuidar da saúde do paciente.

Claro que esta análise deve ser feita com cautela e não necessariamente esteja ligada à performance do serviço prestado mas é inegável a necessidade de monitoramento.

Ainda, altas taxas desse índice podem indicar a necessidade de implementar mais ações preventivas para evitar gargalos no processo, e assim, cuidar de forma mais assertiva de cada vida.

5. Média de permanência na instituição

Por fim, mas não menos importante, é o número de dias em que o paciente fica dentro da instituição internado, independente do tipo de doença que tem. 

Ter um indicador da média de permanência é uma ótima métrica para avaliar a qualidade, pois quanto menor for a média de permanência, melhor.

Pois quanto menor for a permanência do paciente na instituição, menores são as chances de desenvolver infecções hospitalares.

A Carefy conta com indicadores de qualidade em saúde para melhorar a satisfação do paciente e otimizar as operações que ocorrem dentro da instituição de saúde.

Deste modo, as ações podem se tornar ainda mais eficazes para diminuir o tempo de internação e também reduzir os custos de operação. 

Gostou do conteúdo?Inscreva-se na nossa newsletter para se tornar líder em saúde!