banner ebook auditoria em saúde

Que a atenção domiciliar é imprescindível no cuidado do paciente todo profissional da saúde já sabe. Talvez o que você ainda tenha dúvidas é o que observar no plano de atenção domiciliar do paciente. 

Veja a seguir o que é atenção domiciliar, o papel do plano de cuidados e os principais pontos de atenção que você deve ter no processo. 

Mas afinal, o que é plano de atenção domiciliar?

O Plano de Atenção Domiciliar é um conjunto de ações da área de saúde, direcionadas de forma contínua e desenvolvidas no lar do paciente durante a atenção domiciliar.

Para cada beneficiário o plano contempla as condutas propostas, os serviços, insumos e/ou equipamentos os quais ele demanda, a periodicidade de visitas, o papel de cada membro do time e o profissional responsável por coordenar as ações propostas no plano de atenção domiciliar.

Qual a importância do plano de cuidados?

O plano de atenção domiciliar é importante para fornecer todos os recursos pertinentes ao que a saúde do beneficiário demanda.

Desse modo, é essencial que os profissionais, a família e o paciente tenham uma percepção adequada das responsabilidades individuais e coletivas, bem como dos objetivos pretendidos com esse tipo de assistência. 

5 pontos para se atentar no plano de atenção domiciliar

1- Se atente ao grau de complexidade do paciente

No momento de desenvolver o plano de atenção domiciliar é importante definir o grau de complexidade do tratamento a ser direcionado ao paciente.

Os níveis de complexidade podem ser divididos em:

  • Alta complexidade;
  • Média complexidade;
  • Baixa complexidade.

Para avaliar o nível de complexidade do paciente são usadas pontuações embasadas em tabelas como as tabelas ABEMID e NEAD), que levam em consideração o estado clínico do paciente e as ações que precisam ser direcionadas para ele.

Abaixo estão listados alguns aspectos que são importantes avaliar na hora de definir a complexidade do paciente ao montar o plano de cuidado:

  • Necessidade do uso de sonda;
  • Necessidade de quimioterapia;
  • Presença de Traqueostoma;
  • Tipo de suporte ventilatório a ser direcionado;
  • Desenvolvimento de Úlcera de pressão;
  • Grau de atividade diária;
  • Necessidade de respiração por vias áreas;
  • Terapia nutricional a ser direcionada.

2- Avalie os serviços e procedimentos que serão direcionados

Além de definir o grau de complexidade do paciente, é importante entender quais serviços devem ser direcionados para que sejam usados apenas recursos necessários.

E, ainda, para que estes sejam pertinentes à condição clínica do paciente que receberá o cuidado de atenção domiciliar.

Abaixo você pode consultar uma lista com os principais serviços e procedimentos que faz sentido você se atentar para a necessidade de usá-los na hora de montar o plano de cuidado de atenção domiciliar.

  • Visita médica; 
  • Supervisão e cuidados de enfermagem; 
  • Fisioterapia respiratória e/ou motora; 
  • Fonoaudiologia; Avaliação nutricional; 
  • Atendimento psicológico;
  • Terapeuta ocupacional; 
  • Medicamentos e quimioterápicos; 
  • Gases medicinais;
  • Mobiliário e equipamentos hospitalares;
  • Materiais utilizados nos procedimentos; 
  • Remoção; 
  • Nutrição enteral;
  • Nutrição parenteral e espessantes alimentares; 

3- Analise a categorização das diárias

Não se esqueça de se atentar a forma com que as diárias serão cobradas.

e-book auditoria concorrente

No contexto de auditoria de contas médicas, é pertinente ter o cálculo da diária baseado na complexidade do paciente.

Novamente, o grau de complexidade está relacionado com os níveis de pontuação abordados no item 1 deste artigo.

4- Atente-se a cobrança dos medicamentos

Antes de mais nada, é importante ressaltar que os medicamentos devem ser prescritos pelo médico e qualquer alteração no plano terapêutico deve ser acompanhada de uma nova prescrição pelo profissional responsável.

Após a prescrição, no ato de desenvolver o plano de atenção domiciliar, você deve se atentar aos preços cobrados por medicamento.

É recomendado utilizar tabelas como referências na hora de realizar a cobrança.

O Guia Farmacêutico Brasíndice é uma ótima ferramenta para tal embasamento.

Ela apresenta os valores dos medicamentos que são comercializados no território brasileiro, demonstra o preço de fábrica e o valor máximo a ser vendido ao consumidor.

Outras ferramentas amplamente utilizadas no contexto de auditoria em saúde, são a tabela SIMPRO, a SIGTAP , tabela TUSS e a CHBPM.

Logo, é de extrema importância usar as ferramentas certas para embasar os cálculos.

5- Defina a Equipe 

Na atenção domiciliar, dependendo da condição clínica do paciente, é demandado um time de profissionais multidisciplinares.

É importante avaliar quais profissionais fazem sentido incluir no plano de atenção domiciliar para propiciar o cuidado adequado ao beneficiário.

Abaixo se encontra uma lista com alguns profissionais para que você analise quais são pertinentes inserir no plano.

Além desses, outros profissionais podem ser necessários durante o plano de atendimento domiciliar. 

Assim, é de extrema importância realizar o plano de atenção domiciliar do paciente a fim de proporcionar o melhor cuidado para o mesmo.

Gostou do conteúdo e quer se manter conectado às novidades em auditoria em saúde e soluções tecnológicas para essa área? Então inscreva-se e acompanhe nossa newsletter. 

indicadores de auditoria em saúde